Prefeitura Municipal de Coxim - Seja Bem Vindo
Coxim: natureza, cultura e turismo!
                 

Coxim: natureza, cultura e turismo!

É um município brasileiro com pouco mais de 33 mil habitantes distribuídos em pouco mais de 6,4 mil quilômetros quadrados situado ao norte do estado de Mato Grosso do Sul, na microrregião do Alto Taquari, no final do corredor do vale do rio Taquari, e tem na pecuária, no comércio, no funcionalismo público e no turismo suas principais fontes de renda.

Caracterizando-se atualmente como um pólo universitário e de saúde regional, originariamente já fora ocupado por nativos das etnias Caiapó e Bororó, cujas influências podem ser vistas até os dias de hoje nas lides diárias de suas comunidades ribeirinhas, mas seu território também fora palco para a dinâmica de vida dos povos caçadores e coletores da pré-história de 10 mil a 4 mil anos atrás, e que deixaram para trás marcas encontradas nos diversos sítios arqueológicos da região.

Entretanto foi só com a descoberta do ouro em Cuiabá, no início do Século XVIII, que a região passou a ser definitivamente explorada e ocupada dentro dos moldes como vemos hoje, iniciando-se como um pequeno povoado, denominado de Arraial de Beliago, em 1729, para dar apoio às monções paulistas que por aqui passavam na desenfreada corrida rumo ao eldorado cuiabano, sendo elevada a categoria de núcleo populacional e freguesia até obter, décadas depois, sua emancipação político-administrativa, já em 1898.

Arraial de Beliago, Núcleo do Taquari (do Destacamento Militar do Piquiri), São José de Herculânea e Herculânea, além do atual, Coxim, foram os nomes que o município já teve, e prevaleceu “Coxim”  mesmo por força do uso, pois o termo “COJIM”, do dialeto Bororó, significando “PEIXE”, já era amplamente utilizado há tempos para denominar a região por conta do rio de mesmo nome, posteriormente evoluindo para COXIM, que foi base de sustento e abrigo para muitos povos nativos, e posteriormente uma das principais vias (fluviais) de acesso na região para as minas auríferas de Cuiabá, e ainda hoje amplamente utilizado pelas comunidades ribeirinhas da região bem como por turistas de todo o Brasil.

Assim, dada sua importância histórica como ponto estratégico dentro do movimento de expansão territorial brasileiro rumo ao oeste no Século XVIII, principalmente por conta da Rota das Monções, o município consolidou-se como um pólo regional, sendo até os dias atuais considerado um centro regional como, segundo o IBGE, um centro de zona B, categoria na qual se enquadram municípios de pequeno porte, mas que exercem importância regional para outros municípios, distritos e zonas rurais.

Coxim dista à apenas cerca de 240 quilômetros da capital estadual, Campo Grande, e 980 da federal, Brasília, sendo possuidor da 229ª maior extensão territorial dentre os mais de 5.500 municípios brasileiros, possuindo também a 12ª maior área urbana dentre os 79 municípios de MS, bem como o 19º maior PIB do estado, e, segundo a ONU, um índice de desenvolvimento humano considerado “alto”.

Desta forma, sendo uma cidade pequena, mas com características de pólo microrregional, pacata, acolhedora, em Coxim pode-se viver sensações interioranas como a de pescar a qualquer hora do dia ou da noite, banhar-se nos córregos, fazer caminhadas ecológicas em pleno perímetro urbano e observar araras e tucanos cruzando

Entrecortado por rios e serras, cerrado e pantanais, o município destaca-se naturalmente também por conta de seu clima tropical, com inverno seco, que faz com que a paisagem adquira nuances multicoloridas com a florada dos ipês, a revoada dos pássaros, o espetáculo da piracema, os dias mais que ensolarados e o céu inigualavelmente azul-claro durante mais de 300 dias por ano, fazendo com que o turismo, majoritariamente de pesca, porém com significativo crescimento do ecoturismo nas últimas duas décadas, seja uma realidade muito presente na vida dos coxinenses.

Os recursos naturais também são responsáveis pelo sustento de várias comunidades tradicionais no município, dentre elas destaca-se a de pescadores, além de serem também o principal fator responsável pelo descanso e o lazer da comunidade urbana, que vê na piscosidade dos rios uma oportunidade de lazer, ou mesmo pura diversão e refrescamento da alma nas águas dos córregos e cachoeiras dos balneários, chácaras e fazendas do município.

São dezenas de balneários, centenas de pesqueiros e áreas de camping, rios, córregos, cachoeiras, corredeiras, baías e dezenas de ilhas, entre outros fatores, que são a base de atratividade turística para passeios de barco e de chalana pantaneira, expedições temáticas como a Rota das Monções e a Vila dos Diamantes, os safáris terrestres pelo Pantanal de Paiaguás e as trilhas ecológicas, entre outros, que fazem a essência do turismo coxinense, pautada no descanso e no lazer em contato com a natureza e sua gente.

Coxim possui três principais denominações populares, a de Capital Nacional do Peixe, numa alusão aos áureos tempos da pesca de água doce na região, quando seus rios chegaram a figurar na lista dos mais piscosos do planeta, o que gerou uma corrida às áreas de pesca do município, principalmente depois do asfaltamento da BR 163 e da popularização dos veículos de comunicação no Brasil; a de Terra do Pé de Cedro, por conta do sucesso da música do coxinense Zacarias Mourão, que estourou nas paradas de sucesso a partir do final dos anos 50, e estendeu-se pelas décadas de 60 e 70, tornando-se inclusive o hino oficial do município; e, por fim,  a denominação de Portal Monçoeiro do Pantanal, numa referência à posição geográfica do município, que dá acesso de entrada a três tipos de pantanais distintos, o do Paiaguás, o da Nhecolândia e o do próprio Taquari, bem como ao movimento histórico que fez surgir o povoado que originou a cidade, a Rota Das Monções.

Atualmente cerca de 30 mil turistas vêm anualmente a Coxim, sendo 90% por conta das atividades ligadas aos empreendimentos pesqueiros e de camping, e o restante ligado às demandas de eventos, balneários e ecoturismo, cujas riquezas de seus biomas predominantes não deixam a desejar.

O Pantanal é o maior santuário ecológico do mundo em número de espécies de aves e peixes, e também é tido como a maior planície inundável de água doce do planeta. Em 2000 foi elevado à categoria de Patrimônio Natural da Humanidade como Reserva da Biosfera, e em 2015 considerado o 4º destino mais desejado do planeta por viajantes do mundo todo.

O Cerrado, por sua vez, também é possuidor de importância plena, de belezas raras e paisagens típicas, sendo considerado um dos biomas com maior quantidade de vida sobre a face da terra.

Enfim, Coxim, seja como a Capital Nacional do Peixe, a Terra do Pé de Cedro ou mesmo o Portal Monçoeiro do Pantanal, respira, ainda hoje, natureza, cultura e turismo!

Informativo
  •  Agenda
  •  Fotos
  •  Vídeos
  • Contato
  •  Formulário
  •   (67) 3291-1143
  •   turismo@coxim.ms.gov.br

  • www.coxim.ms.gov.br/turismo
    O portal de turismo da cidade de Coxim-MS